CTRL+X - Quem tira conteúdo da internet?
Busca pelo site
Digite uma palavra
Cursos Oferecidos pela Abraji

RSS - Assine para receber as novidades do site



Abraji
on Google+

12/03/13 - 10h02 -
Delegado de BH assume apuração de assassinato


Publicado em 12 de março de 2013 no Jornal Vale do Aço (reprodução parcial)

As investigações sobre a morte do repórter policial Rodrigo Neto de Faria, 38 anos, executado com três tiros por dois motoqueiros, na madrugada da última sexta-feira (08), no bairro Canaã, foram assumidas pelo delegado Emerson Morais, titular da Delegacia de Homicídios de Belo Horizonte. O policial chegou à cidade no último sábado (08), chefiando uma equipe formada por três investigadores, também da capital mineira. Nesta segunda-feira (11), toda a imprensa do Vale do Aço começou a trabalhar usando uma pulseira preta, também usada por profissionais de assessorias e mesmo aqueles que no momento não estão engajados em nenhum órgão. Caso não haja uma resposta quanto ao autor do crime, até o próximo final de semana, uma manifestação está sendo organizada para a sua missa de 7º dia, com camisas de protesto elaboradas para a ocasião.

O delegado Ricardo Cesário, que até então estava à frente do caso, já passou para o colega belo-horizontino o inquérito da morte de Rodrigo Neto. Algumas pessoas começaram a ser ouvidas, várias delas profissionais da imprensa. Todo o processo vem correndo em segredo de justiça. O resultado das investigações deverá ser reportado a autoridades na capital. 

Na tarde desta segunda-feira (11), a reportagem do jornal VALE DO AÇO tentou contato com a Superintendência Judiciária da Polícia Civil, em BH, mas a repartição não quis se pronunciar sobre o assunto, afirmando apenas que o caso da morte do jornalista foi repassado para a Delegacia de Homicídios de BH e que nenhuma informação será repassada, pois o caso corre em sigilo.

Denúncias de ameaças 

Sobre as ameaças de morte que Rodrigo Neto estaria recebendo, o titular da Promotoria de Execução Penal e Controle Externo das Atividades Policial Civil e Militar, Bruno César Medeiros Jardini, confirma a informação. 

Conforme ele, isso ocorreu em duas ocasiões, via e-mail. As mensagens foram recebidas por seu antecessor, o promotor César Augusto dos Santos. O primeiro e-mail foi recebido no dia 29 de setembro de 2011 e o outro em 7 de fevereiro de 2012.

Ao receber as denúncias, César Augusto instaurou expediente chamado de “notícia de fato”, para melhor apurar o caso. A situação foi repassada para o então comandante do 14º Batalhão, como também ao Delegado Regional de Polícia Civil, João Xingó. A ambos foi solicitado que apurassem o caso.

O promotor conta que assumiu a pasta em outubro passado, revelando que não houve apuração por parte do MP: “Nem todas as informações sobre o caso posso repassar à imprensa neste momento, já que nesta terça-feira (12) vamos discutir  internamente todo esse material”.

 

Direitos Humanos 

Também nesta segunda, por telefone, o jornal VALE DO AÇO ouviu o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia legislativa, Durval Ângelo (PT), que relatou que conhece o repórter há nove anos. Segundo ele, há quatro ou cinco anos Rodrigo Neto chegou a depor na Corregedoria da Polícia Civil a respeito de ameaças que estaria recebendo: “Foi quando denunciou o sindicato do crime que contratou um pistoleiro para matar o Dr. Lemos e me matar, e ele entrevistou o Adriano Pitbull, o pistoleiro. Na chacina de Belo Oriente, ele também recebeu ameaça. Teve uma audiência pública em Ipatinga com Edson Moreira, chefe de investigação da PC no Estado, e as ameaças ficaram patentes”, afirma o deputado.

Recentemente, diz o parlamentar, o repórter queria escrever um livro com o título polêmico ‘Crimes perfeitos’: “Ele até me comunicou há duas ou três semanas e falamos desse fato. Disse que ia relatar os crimes cometidos pelo motoqueiro da moto verde, as chacinas ocorridas no Vale do Aço e que quando tem policial envolvido não se avança na apuração”, declara Durval Ângelo. “Depois da morte até relatei ao chefe de polícia Cylton Brandão que ele estava escrevendo este livro”.

Durval Ângelo adiantou que pretende estar no 12º Departamento de Polícia Civil na próxima terça-feira (19), às 14h, em companhia da Ministra de Direitos Humanos, Maria do Rosário. A repartição funciona na rua Maraquê, no bairro Iguaçu. A ideia é que também esteja representada a Ordem dos Advogados do Brasil em Minas Gerais (OAB-MG). Outros parlamentares deverão acompanhar a visita. O objetivo é pressionar e cobrar agilidade nas investigações sobre o caso, havendo uma reunião com o delegado que está conduzindo as investigações. 

 

 


Busca pelo site
E-mail / Usuário

Senha
 
 
   
 

 
 



 



 
 
 






 

INSTITUCIONAL
O que é
Estatuto Social
Diretoria
Comunicados
Parceiros
Privacidade
Copyright
Expediente
SERVIÇOS
Fale conosco
Banco de Currículos
Lista de Discussão
Eventos
NOTÍCIAS
Acesso à informação
RAC
Projeto com estudantes
Noticias da Abraji
Liberdade de expressão
FILIE-SE
Quem pode se filiar?
Quais os benefícios que o sócio da Abraji tem?
Quanto custa?
Como se associar?
 
ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo - [email protected] - (11) 3159-0344 - São Paulo SP