CTRL+X - Quem tira conteúdo da internet?
Busca pelo site
Digite uma palavra
Cursos Oferecidos pela Abraji

RSS - Assine para receber as novidades do site



Abraji
on Google+

19/06/13 - 10h53 - Joo Henrique do Vale
Policial é preso suspeito de executar jornalista no Vale do Aço


Publicado em 18 de junho de 2013 no Estado de Minas

A Polícia Civil prendeu um policial suspeito de assassinar o jornalista Rodrigo Neto, morto a tiros em 7 de março deste ano, no Bairro Canaã, em Ipatinga, no Vale do Aço. O homem apontado como executor, Lúcio Lírio Leal, de 22 anos, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça nessa segunda-feira. Um outro homem também foi detido pelo crime. De acordo com as investigações, ele se passava por policial em Coronel Fabriciano.

Lúcio Leal entrou para a Polícia Civil em 30 de junho de 2010. Em três anos como policial, atuou em delegacias de Ipatinga e de outras cidades da região. O investigador foi detido na manhã desta terça-feira um dia depois da Justiça decretar a sua prisão temporária. 

Já Alessandro foi preso na última sexta-feira por uma equipe do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que assumiu as investigações sobre a série de crimes da região que teriam sido provocados por policiais. Ele era procurado por ter sido condenado por tentativa de homicídio. Com o suspeito foi encontrada uma pistola calibre 380. Segundo a Polícia Civil, o homem tinha ligações com policiais em Coronel Fabriciano.  

O jornalista Rodrigo Neto trabalhava na região e denunciava a atuação de um grupo de extermínio que agia no Vale do Aço. Na primeira semana de maio, um fotógrafo freelancer do Jornal Vale do Aço também foi assassinado. Walgney Carvalho, que trabalhava nas apurações dos casos com Rodrigo, foi executado a tiros dentro de um pesque-pague que costumava frequentar em Coronel Fabriciano, na Região do Rio Doce. Um homem encapuzado chegou armado e atirou três vezes à queima-roupa contra a vítima. Após as mortes, a onda de violência começou a ser investigada. 

De acordo com a Polícia Civil, as investigações sobre os crimes já estão em fase final. Nos próximos dias, uma coletiva de imprensa será realizada para dar mais informações sobre os casos. 

Policiais presos 

Desde abril deste ano, quando o DHPP assumiu as investigações do caso, oito policiais foram presos, seis civis e dois militares. Cinco deles tiveram a prisão temporária prorrogada pela Justiça. 

Entre os presos por suspeita dos assassinatos na região estão o médico-legista José Rafael Americano, que já deixou a Casa de Custódia da Polícia Civil depois de ganhar um alvará de soltura, os investigadores José Cassiano Ferreira Guarda, Leonardo Correa, Ronaldo de Oliveira Andrade e Gini Cassiano, além do soldado Vitor Emanuel Miranda de Andrade.


Busca pelo site
E-mail / Usuário

Senha
 
 
   
 

 
 



 



 
 
 






 

INSTITUCIONAL
O que é
Estatuto Social
Diretoria
Comunicados
Parceiros
Privacidade
Copyright
Expediente
SERVIÇOS
Fale conosco
Banco de Currículos
Lista de Discussão
Eventos
NOTÍCIAS
Acesso à informação
RAC
Projeto com estudantes
Noticias da Abraji
Liberdade de expressão
FILIE-SE
Quem pode se filiar?
Quais os benefícios que o sócio da Abraji tem?
Quanto custa?
Como se associar?
 
ABRAJI - Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo - [email protected] - (11) 3159-0344 - São Paulo SP